Soja

segunda-feira, Julho 31, 2017

Apesar da falta da referência da Bolsa de Chicago nas negociações desta terça-feira (4), em função do feriado nos EUA, os preços da soja praticados no mercado brasileiro conseguiram registrar valorizações expressivas em algumas das principais praças de comercialização do interior do país.

Os ganhos, segundo um levantamento feito pelo Notícias Agrícolas, subiram de 0,79% – como aconteceu em Panambi/RS, com a referência em R$ 61,02 por saca – a até 5,47%, no Oeste da Bahia, com o valor chegando a R$ 61,17. Entre as demais praças, os indicativos oscilam de R$ 53,00 a até R$ 70,00 por saca, ligeiramente melhores do que os observados há algumas semanas.

Já nos portos, os preços se mantiveram estáveis sem o apoio da CBOT. No disponível, R$ 72,00 em Paranaguá e R$ 72,50 no terminal de Rio Grande, enquanto a safra nova tem R$ 73,80 e R$ 76,50 por saca, respectivamente.

Além dos patamares mais elevados no mercado internacional, as cotações da soja no Brasil continuam encontrando espaço também no câmbio. Nesta quinta, a moeda americana fechou com alta de 0,15% e valendo R$ 3,3102.

“O mercado monitorou o cenário político local, em dia de sessão esvaziada”, afirmou o gerente da mesa de câmbio do banco Ourinvest, Bruno Foresti à agência de notícias Reuters, também referindo-se à falta da orientação do mercado externo.

No Brasil, com essa puxada dos valores, os negócios vem caminhando em um ritmo mais acelerado, com os produtores aproveitando essas janelas de oportunidade que os novos momentos do mercado – principalmente em Chicago – estão trazendo.

“A semana da soja no Brasil começou positiva, com os indicativos indo aos melhores níveis em mais de dois meses e desta forma desencadeando uma onda de negócios, com boatos aqui e ali e que nos levam a pensar que tivemos umas 2 milhões de toneladas negociadas somente nesta segunda-feira”, explica Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting.

Bons e fortes números são observados também entre as exportações brasileiras, que já acumulam 44 milhões de toneladas no ano, com volumes que seguem recordes. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), somente em junho as vendas externas do país somaram 9,197 milhões. “O junho deste ano só está abaixo do mesmo mês de 2015, que e recorde histórico até hoje”, afirma o consultor.

 

MINAS VERDE JOHN DEERE SEMPRE AO SEU LADO!



Share