Por Dentro do Consórcio

quinta-feira, Junho 2, 2016

De acordo com dados da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac), no ano passado, o número de consorciados cresceu 16,5%, passando para 81 mil. Esse grupo de produtores adquiriu contratos da ordem de R$4 bilhões, 11% acima do que em 2014. Somente em janeiro deste ano, último dado da Abac, os contratos somaram R$215,8 milhões em quotas, 25% acima de janeiro de 2015. Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da entidade, diz que não é por acaso que os produtores estão vendo o consórcio como um meio mais eficiente de crédito. “No campo, é primordial programar os investimentos de longo e médio prazos, por que assim é possível economizar”, afirma Rossi. No caso do consórcio, a taxa de administração cobrada pelas empresas do setor atualmente é de 1,4% ao ano, em média, o que significa cerca de 0,12% ao mês. Em comparação com o principal sistema de financiamento do setor, o Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas, Implementos e Colheitadeiras (Moderfrota), cujos juros são de até 9% ao ano, a vantagem fica ainda mais evidente.

 

Fique Por Dentro Do Consórcio:

- Vantagem: Possibilidade de quitar as parcelas do consórcio.

- Desvantagem: A única desvantagem é não saber quando será contemplado, o que pode exigir algum desembolso para um lance fora do sorteio.

- Comparação: Para comprar um trator no valor de R$ 172 mil, por meio de um financiamento bancário, em oito anos, a máquina sairia hoje por cerca de R$ 225 mil. Pelo consórcio, o investimento seria de R$ 205 mil.

 

 

Como funciona o sistema de contratação de consórcio agrícola no País?

- Prazo médio de 113 meses.

- Créditos mais utilizados são de R$90 mil a R$ 370 mil.

 

Categorias:

- 39,9% são implementos.

- 26,8% são tratores e retroescavadeiras.

- 22% são colhedeiras.

- 11,3% são cultivadores motorizados.

 

MINAS VERDE JOHN DEERE JUNTOS PODEMOS FAZER MAIS!



Share