Alimento Sustentável

quinta-feira, Novembro 17, 2016
Cientistas brasileiros, em parceria com o Banco Mundial, anunciam Prêmio Novos Talentos para o Alimento Sustentável – Américas. Nas próximas décadas, país precisa dobrar produção de alimentos para atender demanda mundial, e ao mesmo tempo ampliar a sustentabilidade e a resiliência climática.
 
O desafio e a responsabilidade de responder à crescente demanda mundial por alimentos para as próximas décadas, considerando princípios de sustentabilidade. Essa é a missão que caberá a um grupo de cientistas, lideranças empresariais, personalidades do mundo acadêmico e representantes da agricultura avançada de países do Cone Sul, integrantes do Instituto Fórum do Futuro- propostas para o desenvolvimento sustentável, difundir nos Estados Unidos durante o Road Show “O desafio global: mais alimentos, mais sustentabilidade”.
 
Nos dias 16 a 18 de maio, os cientistas participam dos debates organizados na John Hopkins University /Washington (17/05) e, no dia 18/05, os trabalhos seguem na Columbia University- ILAS (Institute of Latin American Studies), em Nova Iorque. Antes, porém, da apresentação dos painelistas convidados haverá o lançamento do Prêmio Novos Talentos para o Alimento Sustentável - Américas. A premiação é realizada em parceria com o Banco Mundial, o Instituto Interamericano para Cooperação Agrícola (IICA), a Embrapa, a FAPEMIG, a FAPEG e as Universidades Federais de Lavras, Viçosa e Esalq. E agora está sendo ampliada para todo o continente americano e tem por objetivo despertar a atenção dos jovens pesquisadores de todas as áreas do conhecimento para os desafios da agricultura sustentável – produzir mais com uso otimizado de recursos escassos. 
 
Para dialogar com a comunidade científica norte-americana, o Fórum do Futuro reuniu um consistente conjunto de instituições científicas do setor (pesquisadores e dirigentes da Embrapa, das Universidades, das Fundações de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais e de Goiás - e de organismos como o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação (CGEE), além de Conselheiros do Fórum .
 
“O grande desafio é prosseguir alinhando o Brasil ao processo civilizatório global, cada vez mais pautado por valores universais consagrados. E, desta forma, conseguir traduzir em desenvolvimento social, econômico e ambiental o melhor que a presente oportunidade do cenário da demanda mundial nos oferece”, destaca o presidente do Fórum do Futuro, Alysson Paolinelli, estudioso do Bioma Cerrado, que encabeça a missão do grupo de cientistas.
 
Paolinelli recebeu o World Food Prize por ter liderado a construção da plataforma de Ciência, Tecnologia e Inovação aplicada sobre a região do Cerrado brasileiro. A agricultura tropical sustentável é produto da ciência brasileira e representa a segunda revolução na história da oferta de alimentos. Substituiu o modelo destrutivo de ocupação da Amazônia; preserva 51,4% da cobertura nativa daquele Bioma; desenvolveu novas tecnologias que permitem ampliar a para produção de alimentos majoritariamente através da conversão de áreas já degradadas.
 
A FAO aponta que até 2050 o Brasil terá que aumentar a produção de alimentos de forma a contribuir para atender a pelo menos 40% da demanda adicional, que cresce em decorrência do aumento da população e da expectativa de vida e da inclusão de novas parcelas da população pelo aumento da renda e migração de contingentes rurais para áreas urbanas.
 
O papel do Fórum do Futuro é demonstrar que é econômica e cientificamente possível alcançar esses objetivos sem recorrer ao desmatamento ilegal. A mensagem que esses cientistas levarão para o Banco Mundial, a FAO e as instituições que participam da Agenda de Washington é que o Brasil está pronto para compartilhar o conhecimento que já conquistou e que pode ser colocado a serviço de áreas vitais semelhantes ao Cerrado, na produção de alimentos harmonizando a questão da natureza, sustentabilidade e aumento da produtividade.
 
A ciência brasileira, representada por esse grupo de cientistas, deseja promover uma aliança com os pesquisadores americanos, da Europa, e, em seguida, da Ásia na construção de diagnósticos e na proposição de soluções que atendam aos anseios e preocupações da humanidade por parâmetros sustentáveis de produção. 
 
Há 40 anos teve início o processo através do qual o Brasil deixou de ser importador líquido de alimentos para se transformar em ator central da oferta, sem comprometer a sustentabilidade dos Cerrados. É indispensável aprofundar o conhecimento de todos os Biomas. O Fórum propõe a criação de plataformas científicas em biomas específicos, nas quais os pesquisadores das universidades e dos centros de pesquisa fariam trabalhos integrados.
 
O Fórum do Futuro é um espaço de reflexão científica. A missão que irá participar dos debates deseja demonstrar que a prática científica brasileira compartilha e exercita os valores universais construídos nos documentos coordenados pela ONU em torno dos Objetivos do Milênio e dos acordos de Paris.
 
Na visão do Fórum essa tarefa de ampliar a um só tempo e significativamente a produção de alimentos, a sustentabilidade e a resiliência climática (produção sem emissão de carbono) não pode ser só do Brasil.
 
"É imperioso que o conjunto das nossas sociedades percebam a Integração da Ciência, da Natureza e do Desenvolvimento como uma ferramenta primordial do avanço civilizatório", destaca Paolinelli. Pela primeira vez a comunidade científica faz um chamamento à participação da sociedade nos debates que irão colocar o país no centro das discussões sobre o tema sustentabilidade.
 
A prática científica vai além do aprimoramento de tecnologias e estratégias na área da produção. O desafio é aproximar a percepção da opinião pública urbana interna - o sistema produtivo do conjunto do projeto brasileiro de sociedade, rompendo com resistente muro virtual que separa injustificadamente os mundos rural e urbano. E, no plano internacional, fomentar parcerias científicas e tecnológicas que estimulem e aprofundem o conhecimento sobre nossos seis Biomas principais, dentro do conceito de Integração Ciência, Natureza e Desenvolvimento.
 
MIANAS VERDE JOHN DEERE SEMPRE AO SEU LADO!
 


Share